CATI apresenta benefícios da extensão rural na Aquishow Brasil

Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA), terá técnicos em seu estande, para orientar aquicultores e interessados, e participação nos minicursos ministrados durante evento

 

A CATI participa da Aquishow Brasil, em 2022, com a presença de técnicos da CATI Regional São José do Rio Preto e do Grupo Técnico de Aquicultura e Pesca, em estande da Secretaria de Agricultura, que reunirá Instituto de Pesca (IP), Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) e Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (Feap).

Além disso, os técnicos em aquicultura da CATI ocuparão 15 vagas em cada um de três minicursos ministrados durante o evento: "Sistemas de Recirculação em Sistemas Intensivos", "Aquaponia: Aspectos Fundamentais" e "Teoria e Prática em Parasitologia de Peixes".

A Aquishow Brasil será realizada no período de 24 a 26 de maio, no Instituto de Pesca, situado em São José do Rio Preto (SP). No dia 27 de maio, a programação é de visita técnica.

As 10 primeiras edições foram realizadas em Santa Fé do Sul (SP), na divisa com Mato Grosso do Sul. Este ano, após o impedimento da realização, em 2021, em razão da pandemia do novo coronavírus, São José do Rio Preto foi escolhida para sediar o evento, que é realizado pela PeixeSP (Associação de Piscicultores em Águas Paulistas e da União).


Peixe é alternativa alimentar saudável para população cada vez mais numerosa

Nos próximos anos, o Brasil pode ser reconhecido como um grande exportador de peixes cultivados, conforme indica o Documento Técnico 123 − “Levantamento das Unidades de Piscicultura no Estado de São Paulo”, organizado por extensionistas e pesquisadores da SAA. O Brasil é o país com as mais altas taxas de crescimento da aquicultura e São Paulo é o segundo maior produtor de peixes cultivados do país. O peixe figura como alternativa alimentar saudável para uma população cada vez mais numerosa. A CATI acredita, incentiva e promove a aquicultura, a piscicultura e a pesca no âmbito paulista.

Os extensionistas, junto aos aquicultores, pescadores e às suas organizações, desenvolvem um trabalho que visa mais capacitação, mais produtividade, mais rendimento e melhor qualidade do pescado.

O trabalho de extensão da CATI junto aos produtores inclui transferência de tecnologias; orientação; atendimento; organização rural; associativismo e cooperativismo; crédito rural, por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e Feap.

“Nos últimos anos, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) aponta que o peixe está mais presente na alimentação das populações. Nossa expectativa é de que o consumo siga aumentando e a produção paulista cresça ainda mais. Para a CATI, participar de mais esta edição da Aquishow é uma oportunidade de reciclar o conhecimento dos técnicos extensionistas, que estão presentes ao dia a dia dos produtores e organizações, e também de apresentar, aos visitantes da feira, a extensão rural como uma ferramenta na cadeia de valor do pescado”, comenta o coordenador da CATI, o engenheiro agrônomo Alexandre Manzoni Grassi.

 
São Paulo está para peixe!

Na aquicultura e piscicultura, em São Paulo, há a prática de variadas formas de cultivo: viveiros escavados; barramentos; tanques-rede; atividades de pesque-pagues. Além da piscicultura continental, São Paulo também atua em maricultura e ostreicultura.

Mais de 80 mil toneladas anuais de peixe cultivado são produzidas no âmbito paulista. Entre as diversas espécies, a tilápia-do-nilo (Oreochromis niloticus) desponta como a mais cultivada no país, produzida significativamente em São Paulo no sistema de tanques-rede.

Já na pesca, são 14 municípios litorâneos, com 5.196 Unidades Produtivas Pesqueiras (embarcações), produzindo mais de 20 mil toneladas de pescado por ano. Os principais aparelhos usados, chamados de “artes de pesca”, são: redes de arrasto; redes de emalhe de superfície e de fundo; cerco flutuante; cerco fixo; cerco de traineiras; espinhéis e covos. Na pesca marítima, as espécies atualmente produzidas são camarão 7 barbas, sardinha, pescada, corvina, carapau, sororoca, cação e caranguejo, entre outras.