Produção Vegetal


Compostagem

A compostagem é uma prática comum e de longa data.

A amontoa de restos vegetais e animais para fermentar e depois empregar como adubo é realizada há muito tempo pelos agricultores.

A fermentação ou decomposição de material orgânico é realizada por organismos aeróbios, ou seja, que necessitam de ar; os principais são as bactérias, os fungos, os actinomicetos e as minhocas.

O composto orgânico é um dos melhores adubos que existe e são vários os benefícios proporcionados pelo seu uso, tais como:

- aumento de microrganismos benéficos e de matéria orgânica no solo;
- maior porosidade e melhoria da estrutura física do solo, com o aumento da infiltração e retenção de água,
- diminuição do risco de erosão;
- fornecimento lento de macro e micronutrientes;
- otimização dos resíduos orgânicos disponíveis na propriedade, com seu aproveitamento como adubo.

O composto orgânico é um dos melhores adubos que existe e são vários os benefícios proporcionados pelo seu uso, tais como:

- aumento de microrganismos benéficos e de matéria orgânica no solo;
- maior porosidade e melhoria da estrutura física do sàlo, com o aumento da infiltração e retenção de água,
- diminuição do risco de erosão;
- fornecimento lento de macro e micronutrientes;
- otimização dos resíduos orgânicos disponíveis na propriedade, Com seu aproveitamento como adubo.

A relação C/N ideal para o início da compostagem é 30/1 porque os organismos responsáveis pela fermentação do material orgânico necessitam de 30 partes por peso de carbono (C) para cada parte de nitrogênio (N) usada. Nas tabelas 1 e 2 são apresentados materiais ricos em carbono e nitrogênio, comumente usados para compostagem.

O próprio composto semicurado pode servir como inoculante para diminuir o tempo de preparo do material.

Existem produtos específicos para inoculação que podem ser adquiridos no mercado de insumos orgânicos.

O composto pode ser enriquecido com calcário, pó de rocha ou outra fonte de fósforo na proporção de 2 a 5%, espalhados entre as camadas do monte, durante a amontoa.

Após um prazo variável, entre 1 e 4 meses, dependendo do valor C/N inicial do monte, do tamanho e da quantidade do material vegetal utilizado, da adição de inoculantes, entre outros fatores, o composto ficará pronto, passando a ter uma relação C/N entre 18 e 20 e uma temperatura próxima a do ambiente.

Construindo o monte de composto passo a passo

Ampliar imagem

Tabela 1 - Composição de alguns materiais de origem vegetal de interesse para compostagem(base seca).

Ampliar imagem

Tabela 2 - Composição de alguns materiais de origem animal, de interesse para compostagem(base seca).

Ampliar imagem

Aplicação do Composto

A adubação orgânica com composto vai depender da fertilidade natural e do grau de degradação do solo, bem como das exigências de cada cultura. Quanto mais pobre e degradado estiver o solo, maiores dosagens decomposto serão aplicadas, a partir de 3 kg/m2 ou 30 t/ha.

Para culturas anuais, o composto pode ser aplicado entre 10 e 20 dias antes do plantio, a uma profundidade de até 15cm, em solo recém-preparado ou em sulcos. Quando a adubação for de cobertura, deverá ser feita em sulcos distantes de 10 a 20cm, acima da linhade plantio.

Em se tratando de culturas perenes, deverá ser aplicado na cova de plantio, misturado à terra, e em semicoroas acima de cada planta, por ocasião da adubação de cobertura.

Dicas de compostos

No caso de composto caseiro, o ideal é separar o lixo doméstico. O material inorgânico (latas, plásticos, vidros e borrachas) deverá ser encaminhado para reciclagem. O material orgânico (cascas de ovos, de frutas e legumes, papéis, borra de café, etc.), dará origem ao composto. Juntar estes materiais e cobrir com uma camada fina de terra para evitar a proliferação de moscas. Molhar e revolver até obter cheiro e umidade característicos.

Prático

Se o agricultor possuir animais que fiquem confinados à noite (em torno de 10 animais para cada hectare de horta), providenciar uma cama de palha e, diariamente, cobrir novamente de palha os locais estercados pelos animais, formando um colchão de palha, esterco e urina. Colocar também, uma vez por semana, camadas de cinzas, farinha de ossos, pó de rocha, fosfato de rocha e outros materiais disponíveis a fim de enriquecer o composto. Após 15 dias, retirar este material, amontoar em uma pilha e deixar até transformar-se em composto.