Serviços


Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária (DCAA)

 

Com o objetivo de facilitar o processo de adequação ambiental dos produtores rurais paulistas, são passíveis de dispensa de licença ambiental os empreendimentos agropecuários de baixo potencial poluidor, mediante a emissão da Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária(DCAA).

 

Segundo a Resolução Conjunta SMA/SAA/SJDC nº01, de 27/12/2011, as atividades listadas a seguir, em função de seu reduzido potencial poluidor/degradador, são passíveis de dispensa de licença ambiental:

I. cultivo de espécies de interesse agrícola temporárias, semi-perenes e perenes;

II. criação de animais domésticos de interesse econômico, exceto as atividades de vicultura, suinocultura, desde que estas não sejam de subsistência;

III. apicultura em geral;

IV. reforma e limpeza de pastagens quando a vegetação a ser removida seja constituída apenas por estágio pioneiro de regeneração de acordo com a legislação vigente;

V. projetos de irrigação;

VI. aquicultura nos termos do decreto 60.582 de 27-06-2014, e suas alterações conforme decreto estadual 60.766 de 29-08-2014 (caso a data de emissão da Declaração for anterior a 27-06-2014, são considerados os termos do Decreto 58.544, de 13-11-2012);

Desde que:

a) atendam à legislação pertinente ao Uso e Conservação do Solo (Lei Estadual nº 6.171, de 04 de julho de 1988, alterada pela Lei Estadual nº 8.421, de 23 de novembro de 1993, e regulamentada pelo Decreto nº 41.719, de 16 de abril de 1997, alterado pelos Decretos nº 44.884, de 11 de maio de 2000, e nº 45.273, de 06 de outubro de 2000);

b) atendam à legislação pertinente ao uso de Agrotóxicos (Lei Federal nº 7.802, de 11 de julho de 1989, regulamentada pelo Decreto nº 4.074, de 04 de janeiro de 2002);

c) adotem boas práticas de produção agropecuária;

d) não impliquem intervenção em áreas de preservação permanente, nem supressão de vegetação nativa;

e) não ultrapassem 1.000ha caso constituam ampliações de atividades já existentes na propriedade;

f) não ultrapassem 1.000ha caso constituam novos empreendimentos agropecuários;

g) no caso de aquicultura, atenda ao Decreto Estadual nº 60.582, de 27 de junho de 2014, e suas alterações conforme decreto estadual 60.766 de 29 de agosto de 2014;

 

IMPORTANTE!

As ampliações de plantio ou atividades pecuárias devem ser objeto de licenciamento pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB quando a área de ampliação for superior a 1.000 (mil) hectares.

As atividades agrosilvopastoris não abrangidas pelo artigo 1º da Resolução Conjunta SMA/SAA/SJDC nº01, de 27/12/2011, serão objeto de licenciamento no âmbito da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - CETESB. Para mais informações, acesse o site http://www.cetesb.sp.gov.br

 

Procedimento

Atendendo a todos os requisitos acima, o produtor poderá fazer o requerimento diretamente na Casa da Agricultura mais próxima (lista de endereços), em posse dos documentos a seguir:

- CPF do declarante;

- CPF do proprietário do imóvel - se este não for o declarante (cópia simples);

- Inscrição do Produtor no CNPJ Rural.

- Contrato de arrendamento, comodato ou equivalente, se o declarante não for o proprietário do imóvel (original ou cópia autenticada).

O técnico irá conferir as informações e imprimir a Declaração em 4 vias.

Para agilizar o processo para obtenção da DCAA, o produtor rural pode preencher previamente o formulário abaixo:

Depois se dirigir à Casa de Agricultura com os documentos listados acima.

 

LEIS E NORMAS DE REFERÊNCIA

- Resolução Conjunta SMA.SAA.SJDC – 01 (27/12/2011) – Dispõe sobre o licenciamento ambiental para atividades agropecuárias no Estado de São Paulo.

- Resolução Conjunta SMA.SAA.SJDC – 01 (23/03/2012) – altera a Resolução Conjunta SMA.SAA.SJDC – 01 de 27/12/2011.

- Resolução Conjunta SMA.SAA.SJDC – 02 (14/11/2012) – altera a Resolução Conjunta SMA.SAA.SJDC – 01 de 27/12/2011.

- Resolução SAA – 3 (19/01/2012) – Dispõe sobre o procedimento da Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária.

- Resolução SMA – 74 (27/12/2011) – Dispõe sobre a inexigibilidade de licenciamento ambiental para as atividades que especifica.

 

 

LEIS E NORMAS SUPLEMENTARES

- Lei Federal nº7.802 de 11 de julho de 1989 e respectivas alterações – Lei dos Agrotóxicos.

- Decreto Federal nº4.074 de 04 de janeiro de 2002 – Regulamenta a Lei Federal nº7.802 de 11/07/1989.

- Lei Estadual nº6.171 de 04de julho de 1988 – Lei do Uso e Conservação do Solo.

- Lei Estadual nº8.241 de 23 de novembro de 1993 – Altera a Lei Estadual nº6.171 e 04 de julho de 1998.

- Lei Estadual nº7.663 de 30 de dezembro de 1991 – Estabelece normas de orientação à Política Estadual de Recursos Hídricos bem como ao Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos.

- Decreto Estadual nº41.258 de 31 de outubro de 1996 – Regulamenta os artigos 9º a 13 da Lei Estadual nº7.663 de 30/12/1991.

- Decreto Estadual nº41.719 de 16 de abril de 1997 – Regulamenta a Lei Estadual nº6.171 de 04/07/1988.

- Lei Estadual nº9.034 de 27 de dezembro de 1994 – Dispõe sobre o Plano Estadual de Recursos Hídricos.

- Resolução CONAMA 001 (23/01/1986) e respectiva alteração.

- Resolução CONAMA 237 (19/12/1997).

- Resolução CONAMA 413 (26/06/2009).

- DECRETO nº 60.582, de 27 de junho de 2014 -Licenciamento ambiental da aquicultura, cria Parques Aquícolas estaduais ;

- DECRETO nº 60.766, de 29 de agosto de 2014 - altera o decreto nº 60.582, de 27 de junho de 2014 ;